O Defensor Público Fernando Albuquerque lidera no Pará o movimento que pretende efetivar o cumprimento de dispositivo conhecido como audiência de custódia, previsto na Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto de São José da Costa Rica), e que não vem sendo observado em todo o país.

A audiência de custódia é instrumento que prevê a apresentação da pessoa presa em flagrante em até 24 horas a um juiz de direito, com o objetivo de que seja analisada a legalidade da prisão e que o preso possa argumentar sobre os fatos que o levaram à prisão.

A medida já é adotada em diversos países e a Corte Interamericana de Direitos Humanos já apreciou casos onde Estados e Nações foram condenados por conta do descumprimento da lei.

Empenhado em dar efetividade a este dispositivo, o Defensor destacou entre as vantagens a redução da população carcerária, uma vez que o juiz não só vai analisar a regularidade formal de um auto, mas vai ouvir o cidadão autuado e poderá decidir sobre a restituição da liberdade ou decretar a prisão com fundamentos. Outro benefício é a garantia da integridade física e psíquica do preso, que deixa de ser alvo fácil de torturas, por exemplo.

Defensores de todo o Brasil estiveram reunidos nos dias 16 e 17 deste mês, no Rio de Janeiro, para traçar estratégias de atuação em nível nacional e debater o Projeto de Lei do Senado nº 554/2011, de autoria do senador Antonio Carlos Valadares (PSB/SE). A matéria propõe mudanças no Código de Processo Penal brasileiro “para determinar o prazo de 24 horas para a apresentação do preso à autoridade judicial, após efetivada sua prisão em flagrante”.

O projeto tramita na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal e auxiliaria a acabar com os eventuais casos de maus tratos ou de torturas, garantindo a integridade física e psíquica do custodiado, além de abrir espaço para a discussão democrática da legalidade e da real necessidade da prisão.

A reunião foi promovida pela Associação Nacional dos Defensores Públicos (ANADEP), em parceria com a Associação de Defensores Públicos do Rio de Janeiro (ADPERJ) e a Escola Nacional dos Defensores Públicos (ENADEP).

Fonte: Ascom DPE/PA

Quem somos

O Colégio Nacional de Defensores Públicos-Gerais (Condege) congrega Defensores-Gerais de todos os Estados do Brasil, do Distrito Federal, além de representantes de associações nacionais de Defensores Públicos.
SIA Sul Trecho 17, Rua 07, Lote 45, 3º Andar, Sala 301, Bairro Zona Industrial, Cidade Guará, Brasília/DF
(61) 2196-4457
presidencia@condege.org.br

Assessoria

Gabinete da Presidência
E-mail:  presidencia@condege.org.br
Telefones: (61) 2196-4457
Whatsapp: (61) 98349-5546

Assessoria de Comunicação
E-mail: comunicacao@defensoria.df.gov.br
Telefone: (61) 2196-4323 | 2196-4324
Celular: (61) 99828-6632

 

Newsletter

Assine para receber nossas últimas novidades!