O evento aconteceu de forma remota, com transmissão pela plataforma de videoconferência CiscoWebex e pelo canal do CNJ no Youtube. 

Conselho Nacional de Justiça (CNJ) – com apoio da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) e dos coordenadores do Encontro Nacional dos Juízes e Juízas Negros (Enajun) – promoveu o Seminário “Questões Raciais e o Poder Judiciário”

Voltado às reflexões acerca do enfrentamento do racismo estrutural que se manifesta também institucionalmente no sistema de justiça, aconteceu nesta terça-feira (7), de forma remota, com transmissão pela plataforma de videoconferência CiscoWebex e pelo canal do CNJ no Youtube

Na ocasião, nossa presidente, Maria de Nápolis, ressaltou que o tema tratado no seminário é bastante atual e que eventos como esse demonstram a conscientização da sociedade em reconhecer o assunto como um problema:

“O reconhecimento é o primeiro passo para a desconstrução do racismo estrutural e institucional tão presente na nossa sociedade. Mas nós não podemos ficar só no reconhecimento. Todos os dias, milhares de pessoas negras procuram o atendimento das Defensorias Públicas de todo o país. Todos os dias, nós, defensoras e defensores públicos, nos deparamos com o contexto de desigualdade e de exclusão. E a grande parte das histórias dessas pessoas também são levadas ao Poder Judiciário. É preciso relembrar sempre o desejo do nosso constituinte originário expresso no preâmbulo da nossa constituição: ‘construir uma sociedade livre, justa e solidária’."

Maria de Nápolis também destacou que Justiça se faz com igualdade e com respeito aos direitos fundamentais e à dignidade da pessoa humana, mencionando a importância da representatividade negra em diversos setores:

Justiça se faz reconhecendo que existem nesse país pessoas negras que não tiveram as mesmas oportunidades, que precisam de representatividade nas universidades, nos órgãos públicos, no sistema de justiça. Quando o Poder Judiciário reconhece isso em seus julgados, em seus seminários, em suas ações, e quando o sistema de justiça se reúne para discutir esse tema, nos traz esperança. Que essa esperança, que sempre inundou os olhos das pessoas negras do nosso país, seja o elemento motivador para nos manter enquanto sistema de justiça sempre no fronte dessa batalha contra o racismo. É esse o compromisso das Defensorias Públicas de todo o país”, defendeu.

Para consultar a programação completa, clique aqui

Morgana Nathany, da Assessoria de Comunicação 

Com informações do CNJ

Quem somos

O Colégio Nacional de Defensores Públicos-Gerais (Condege) congrega Defensores-Gerais de todos os Estados do Brasil, do Distrito Federal, além de representantes de associações nacionais de Defensores Públicos.
SIA Sul Trecho 17, Rua 07, Lote 45, 3º Andar, Sala 301, Bairro Zona Industrial, Cidade Guará, Brasília/DF
(61) 2196-4304 / (61) 2196-4300
presidencia@condege.org.br

Assessoria

Gabinete da Presidência
E-mail:  presidencia@condege.org.br
Telefones: (61) 2196-4304 | 2196-4300
Whatsapp: (61) 98349-5546

Assessoria de Comunicação
E-mail: comunicacao@defensoria.df.gov.br
Telefone: (61) 2196-4323 | 2196-4324
Celular: (61) 99828-6632

 

Newsletter

Assine para receber nossas últimas novidades!